Centrais sindicais de Três Lagoas irão aderir a Greve Geral contra Reforma da Previdência nesta sexta

Interdição da Avenida Ranulpho Marques Leal (BR-262) deve acontecer no ponto próximo a UFMS

Publicado em
Centrais sindicais de Três Lagoas irão aderir a Greve Geral contra Reforma da Previdência nesta sexta

TRÊS LAGOAS (MS) - Centrais sindicais de todo o País estão convocando trabalhadores de diversas categorias para uma greve geral na próxima sexta-feira, 14, a partir das 6h. As ações também devem acontecer no município de Três Lagoas (MS), com a paralisação da BR-262.

O objetivo, de acordo com líderes das entidades, é protestar contra o projeto do Governo de Reforma da Previdência. Também fazem parte das reivindicações temas como maior geração de empregos formais, retomada do crescimento da Economia e contingenciamento na Educação.
 
EM TRÊS LAGOAS

A interdição da Avenida Ranulpho Marques Leal (BR-262) deve acontecer no ponto próximo a UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), no mesmo local onde estudantes realizaram uma espécie de barreira nos protestos do dia 15 de maio.

Os trabalhadores em educação, representados pelo Sinted (Sindicato dos Trabalhadores em Educação) decidiram, em assembleia geral, que também irão aderir ao Movimento e, por esse motivo, algumas escolas não terão aula na sexta-feira (14).

Representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transporte Rodoviário (STTR) também confirmaram que a categoria irá paralisar e se reunir nas proximidades do Posto São Luiz, localizado na Avenida Ranulpho Marques Leal.
 
BRASIL

Segundo os movimentos nacionais, a prioridade é que os trabalhadores "cruzem os braços" a partir da madrugada de quinta-feira, 13, para sexta-feira, 14, com manifestações sendo utilizadas como complemento à paralisação.

"A imagem que queremos é ruas desertas no dia, como se estivéssemos em 28 de abril de 2017 (quando houve greve geral no País)", afirma o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas. "As manifestações são apoio, mas o dia é de greve", completa.

Fonte: Estadão

Deixe um comentário