Cabeleireiro afasta culpa do salão em morte de cliente após progressiva em Ilha Solteira

Representantes da fábrica que produz a progressiva utilizada no tratamento irão à Ilha Solteira, para prestar esclarecimentos

Publicado em
Cabeleireiro afasta culpa do salão em morte de cliente após progressiva em Ilha Solteira

Em entrevista ao jornalista Douglas Cossi Fagundes, de o “Ilhadenoticias”, Sérgio Ramos Assunção, um dos proprietários do salão Spaço Cortê, onde Lydyane Ferreira dos Santos foi atendida, disse que usa o mesmo produto há vários anos e que não faz manipulação. A cliente ficou internada por quatro dias e faleceu após o procedimento. O caso teve repercussão nacional.

Segundo o depoimento do proprietário, Lydyane permaneceu no salão por cerca de cinco horas, onde cortou o cabelo e realizou a chamada progressiva. Nesse período, ela não teria apresentado nenhuma reação ao produto utilizado.

O cabeleireiro afirmou respeitar a dor da família, mas descarta culpa do salão na morte. “Nosso produto vem de fábrica, não manipulamos nada aqui. Do jeito que sai da fábrica, abrimos na frente da cliente e fazemos a aplicação. Não é acrescentado nada”, afirma Assunção.

O empresário afirmou que no momento em que esteve no salão, à cliente nao falou que estava tendo dor de cabeça ou algum mal-estar. Ele afirmou que está até solicitando as imagens das câmeras de vigilância do salão  para mostrar que ela não teve nenhuma reação.

 “Eu recebi uma ligação, onde uma pessoa perguntou se eu estava sabendo que a Lydyane, que fez a progressiva aqui, estava internada. Eu disse que não. Aí ela me falou que estavam falando que havia dado uma reação alérgica ao produto utilizado. Eu, então, pedi o número do telefone da irmã dela e liguei. Ela disse que estava no hospital e eu perguntei se poderia ir até lá. Eu estive, a vi e conversei com a irmã”, explicou Assunção.

Produtos

O salão funciona há oito anos e sempre usou o mesmo produto utilizado no tratamento capilar feito em Lydyane. “Nunca tive problema. Fazemos mais de cem progressivas por mês. Foram milhares nesse tempo todo e nunca tivemos problema. Inclusive, temos clientes com alta sensibilidade, vitiligo e fazem o procedimento tranquilamente, sem nenhum problema”, disse Assunção.

Sérgio informou ainda que representantes da fábrica que produz o produto utilizado no tratamento virão à Ilha Solteira, para prestar os esclarecimentos.

Fonte: Hojemais

Deixe um comentário