Ana Lúcia agoniza a mais de 20 dias a espera de uma placa para fêmur e faz apelo às autoridades e população

Ana ficou gravemente ferida após um acidente no dia 16 de agosto deste ano, devido à imprudência de um motorista.

Publicado em
Ana Lúcia agoniza a mais de 20 dias a espera de uma placa para fêmur e faz apelo às autoridades e população

TRÊS LAGOAS (MS) – Com 24 dias sem resposta da Secretaria Municipal de Saúde de Três Lagoas e do Governo do Estado, Ana Lúcia da Silva Martins (44), ainda aguarda por uma solução sobre o impasse da sua operação de alta complexidade para colocação de uma placa após uma grave fratura de fêmur.

Ana ficou gravemente ferida após um acidente no dia 16 de agosto deste ano, devido à imprudência de um motorista.

Desde esse dia, ela está lutando para conseguir uma solução para esse impasse e conseguir voltar à vida normal e poder caminhar novamente.

E hoje está à espera de uma decisão judicial para saber se haverá uma vaga disponível na Capital ou se o material necessário para a sua operação será fornecido pelo Município.

Frente a todos esses problemas e impasses, a Rádio Caçula, em prol do reestabelecimento de Ana Lúcia, está solicitando a ajuda da população três-lagoense ou através de uma doação da placa ou arrecadação de dinheiro para a compra.

De acordo os médicos, a placa autobloqueadora de Fêmur Distal do Tipo Liss, descrição relatada pelo médico ortopedista em parecer médico, custa em torno de R$ 7 mil.

Assim, estamos mobilizando toda a população para que essa placa seja comprada ou doada por algum benfeitor ou até mesmo, que as autoridades se atentem que esse valor é irrisório diante da dor e do desespero de uma mulher que está a quase um mês imobilizada em uma cama de hospital.

E, de tão esgotada com tal drama na sua saúde, Ana Lúcia beira o desespero, pois pensa até mesmo em deixar o hospital, situação estaque seria danosa, pois Ana Lúcia corre o risco de contrair uma infecção.

Além da placa, os gastos com fraldas e outros itens de higiene como lenços umedecidos também aumentaram.

Desse modo, solicitamos à população que se compadeça com o caso de Ana e doe qualquer quantia para ajudar a comprar a placa para a operação. A cada dia acamada e dentro de um hospital agrava mais ainda o estado de saúde da paciente.

Solicitamos ainda a doação de fraldas geriátrica tamanho Extragrande (XG), óleo de girassol e lenços umedecidos.

Mais informações e doações falar com a editora-chefe Julia Vasquez, na Rádio Caçula, no telefone (67) 3521-2305 ou no endereço av. Aldair Rosa de Oliveira, 1045 – Interlagos. O horário de atendimento é das 8h às 13h e das 15h às 17h.

O caso

No primeiro momento ela foi prontamente atendida pelo Hospital Auxiliadora, mas devido à gravidade da fratura e, pelo fato do hospital não possuir a placa que a paciente precisa, ela não pôde ser operada em Três Lagoas.

Sendo assim, o Hospital Auxiliadora solicitou a inclusão de Ana Lúcia na fila de espera para cirurgia de urgência e de alta complexidade no hospital da Capital.

Dias após a solicitação de transferência para Campo Grande, Ana teve a solicitação negada pelo Hospital da Capital.

Diante à negativa e com a impossibilidade de ser operada, Ana e seus familiares entraram com um processo junto a Defensoria Pública para garantir o seu direito para ser atendida ou para ser transferida para Campo Grande ou para que a compra da placa seja realizada pelo município.

Nesse momento, o processo judicial está sendo analisado, mas essa demora está acabando com o psicológico de Ana Lúcia. E tal espera para a operação prejudica cada dia mais a sua saúde.

Fonte: Rádio Caçula

Deixe um comentário