“Vi meu filho por foto só”, diz mulher que perdeu o bebê ao ser esfaqueada

Esfaqueada no pescoço, Regiane Cales da Silva, 41 anos, ficou internada por um semana em estado grave

Publicado em
“Vi meu filho por foto só”, diz mulher que perdeu o bebê ao ser esfaqueada

TRÊS LAGOAS: Ainda com pontos na cabeça, curativo no pescoço e se recuperando, Regiane Cales da Silva, 41 anos, que perdeu o bebê ao ser esfaqueada pelo marido, Jorge de Souza Valdez, 44 anos, no dia 10 deste mês, em Três Lagoas, distante 338 quilômetros de Campo Grande, recebeu alta na terça-feira (17), após uma semana internada no Hospital Auxiliadora.

Ela estava grávida de seis meses, sofreu parada cardiorrespiratória e, após ser reanimada pela equipe médica, foi submetida a uma cesárea de emergência. O bebê nasceu vivo, foi para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) mas morreu horas depois. Já em casa, Regiane publicou um vídeo para agradecer as orações: “Deus fez um milagre em minha vida”.

“Não podia deixar de passar aqui para agradecer as orações, vocês clamaram por mim e Deus ouviu. Eu não tenho palavras para agradecer, peço mais orações porque estou no processo de recuperação. Entrei terça-feira de madrugada ho hospital e hoje estou em casa. Eu sei o que eu passei. Não era nem para eu estar em casa, mas Deus é tão bom. Uma facada pegou no pulmão. Tirei o dreno do pulmão. Não posso falar muito tempo, eu canso”, disse.

Regiane também comentou sobre o filho que nasceu vivo depois de uma cesárea de emergência, mas não resistiu. “Há um vazio pela vida do meu filho, Emanuel, que já foi enterrado. Minha mãe, meu pai e minhas filhas já enterraram ele. Vi meu filho por foto só. Vai com Deus, meu filho. Agora, vou cuidar das minhas filhas, da minha família. Quando eu puder e tiver melhor eu atendo todo mundo que quiser me ver, tá”. Assista, abaixo, ao vídeo.

Crime  - O caso aconteceu na Rua Copaíba no apartamento onde o casal vivia, com as duas filhas menores de idade do primeiro casamento da vítima. Os dois moravam juntos há pouco mais de 6 meses, segundo relatos de vizinhos à polícia. Jorge foi autuado por feminicídio na forma tentada e por aborto sem consentimento da gestante. Ele trabalhava como pedreiro, mas disse em depoimento que também era pastor na igreja “Resgatando Vidas para o Reino de Deus”.

Na semana passada, a Justiça de Mato Grosso do Sul decretou a prisão preventiva do pastor. Ao manter a prisão dele, o juiz Rodrigo Pedrini Marcos, da 1ª Vara Criminal do município, citou caso de violência doméstica cometida pelo autor no ano passado.

“Verifica-se que o acusado, conforme antecedente, já vinha demonstrando a tendência de atos de violência doméstica, pois foi denunciado por ato praticado contra sua ex-companheira em fevereiro de 2019, ocasião em que disse que cortaria o pescoço da vítima, como fez no presente caso”, pontuou.

 

Fonte:

Deixe um comentário