Professora de Três Lagoas representa o Estado em curso de Educação Precoce no Rio de Janeiro

O curso de Educação Precoce foi oferecido pelo Instituto Benjamin Constant da Cidade do Rio de Janeiro de 21 a 25 de outubro

Publicado em
Professora de Três Lagoas representa o Estado em curso de Educação Precoce no Rio de Janeiro

TRÊS LAGOAS (MS) - Buscando ainda mais capacitação para atender os alunos portadores de Deficiência Visual da Escola Municipal Eufrosina Pinto e na APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) com a sala de aula Educação Essencial, a professora Mari Elza do Amaral Garcia participou, de 21 a 25 de outubro, do curso de Educação Precoce oferecido pelo Instituto Benjamin Constant da Cidade do Rio de Janeiro.

Segundo a professora Mari Elza, a inscrição foi feita pelo site do Instituto no qual é realizada uma sondagem dos profissionais inscritos para a escolha. Após a confirmação por e-mail, ela buscou patrocínio da Secretaria de Educação que auxiliou com as diárias. Dos 30 participantes, Mari Elza foi a única representando Mato Grosso do Sul.

"A SEMEC nos oferta formação continuadas nesta área, no entanto, o Instituto Benjamin Constant é uma referência no Brasil para alunos com Deficiência Visual, oferecendo assim uma formação especifica para atuarmos nesta área", disse.

Ainda de acordo com a professora, "este é o 2ª ano que Município está me auxiliando para meu enriquecimento. Devido o meu trabalho com alunos portadores de Deficiência Visual procuro por formações para me qualificar e atualizar, buscando sempre mais aprendizado para minha profissão como professora", completou.

CURSO

O Curso de Educação Precoce é oferecido aos professores com prioridade para os que atuam em instituições públicas. Entre os assuntos discutidos está a importância da visão no desenvolvimento global da criança; conceituação da deficiência visual: cegueira e baixa visão; noções gerais sobre o funcionamento visual; principais patologias que levam à deficiência da visão na infância e seus reflexos no desenvolvimento; aspectos biopsicossociais; a importância da integração dos sentidos remanescentes e as frequentes interferências da deficiência visual no processo de desenvolvimento neuro-psicomotor, cognitivo e sócio afetivo.

"Além de contribuir para minha formação, realizar estes cursos me possibilita fazer o repasse para outros profissionais que atuam na Rede Municipal", finalizou.

Fonte: Prefeitura de Três Lagoas

Deixe um comentário