“Estou sofrendo muito”, diz jovem que terá de se despedir de José, o porquinho de estimação

O porquinho José não é criado preso no chiqueiro, mas fica solto ou amarrado no quintal. Até os quatro meses de vida, dormia dentro de casa

Publicado em
“Estou sofrendo muito”, diz jovem que terá de se despedir de José, o porquinho de estimação

Michele Mih - como se denomina em seu perfil no Facebook -, e sua família, que sempre morou na zona rural, recentemente se mudou para a cidade de Água Clara, especificamente, para o Núcleo Barra Mansa.

No referido bairro, continuam mantendo os hábitos da fazenda. A criação de galinha, porém, incomodou a um vizinho que trabalha na granja do município e acabou denunciando o fato à Vigilância Sanitária, já que o seu emprego não lhe permite morar próximo de quem cria qualquer tipo de aves.

A vigilância visitou o local e obrigou a retirada das galinhas. Ocorre que nesta vistoria, acabaram descobrindo a existência de um porco, que também é criado no local.

Procurada pelo Fatos Regionais, Michele explicou que o porquinho, a quem deu o nome de José, é de estimação e, inclusive, completou um ano de vida na quinta-feira. Ainda segundo Michele, ela e toda a família, composta pelo marido e filhos, estão muito tristes, porque a Vigilância deu até este sábado (6) para que o animal seja retirado do bairro.

Isto, porque a legislação não permite a criação desse tipo de animais na área urbana.  Ela diz que irá levar o suíno para um local de confiança, onde possa visitá-lo regularmente.  

O porquinho José não é criado preso no chiqueiro, mas fica solto ou amarrado no quintal. Até os quatro meses de vida, dormia dentro de casa. Segundo Michele, além dela, o marido, os filhos e os amigos também gostam muito do porquinho, que se alimenta basicamente de milho. Antes do José, ela teve um cateto de estimação, que acabou sumindo no mato.

E Michele deixa claro que o seu porquinho não está sendo criado para ser abatido, mas no que depender dela, vai morrer de velhice. “Não pretendo matá-lo; nem carne de porco eu como”, diz.

“É um assunto muito sensível pra mim”, disse ao ser questionada sobre o seu sentimento a respeito da retirada do porquinho. “Posso te afirmar que estou sofrendo muito”, completa, revelando que gosta de todos os animais. Michele não pretende mais retornar à zona rural.

 

Fonte: Fatos Regionais

Deixe um comentário