Polícia pede apreensão de adolescente suspeito de participar de planejamento do massacre de escola de Suzano

De acordo com delegado-geral, investigação aponta que a motivação é por reconhecimento de parte da comunidade. 'Queriam demonstrar que podiam agir como em Columbine, com crueldade'.

Publicado em
Polícia pede apreensão de adolescente suspeito de participar de planejamento do massacre de escola de Suzano

O delegado-geral da Polícia Civil, Ruy Ferraz Fontes, afirmou nesta quinta-feira (15) que a polícia pediu à Justiça a apreensão de um adolescente de 17 anos, que teria participado do planejamento do massacre da escola de Suzano nesta quarta-feira (13). Uma dupla de jovens matou oito pessoas na Escola Estadual Raul Brasil, na cidade da Grande São Paulo. O adolescente também é ex-aluno da escola, e foi colega de classe de Guilherme Monteiro.

"A terceira pessoa é um adolescente, a apreensão dele já foi sugerida ao juiz da infância e da juventude e o material relacionado com a participação dele já está arrecadado", disse Fontes.

"Estamos aguardando a manifestação da Justiça. Pode ser a qualquer momento", complementa o delegado.

O dono do estacionamento onde a dupla guardou o carro teria informado para a polícia sobre a participação de uma terceira pessoa, informou o delegado. "Ainda não confirmamos a informação, estamos submetendo a fotografia do adolescente ao responsável pelo estacionamento para confirmar. Temos outros dados que fazem crer que esse indivíduo participou pelo menos da fase de planejamento."

Um dos amigos dos criminosos foi ouvido pela polícia na noite de quarta (13) e contou que soube da intenção da dupla em fazer o atentado. Só não sabia quando seria.

De acordo com Fontes, a investigação aponta que a motivação do massacre é por reconhecimento de parte da comunidade e para aparecer na mídia:

"Esse foi o principal objetivo, não tinha outro", diz delegado."Não se sentiam reconhecidos, queriam demonstrar que podiam agir como em Columbine, com crueldade e com um caráter trágico para que fossem mais reconhecidos do que eles", afirmou o delegado.

Tal informação foi relatada à polícia por testemunhas próximas a Guilherme, que seria o líder da dupla. "Pessoas que estavam próximas dele e obtiveram essa informação diretamente dele".

Para o delegado, a questão do bullying é pouco representativa, pois foi citada em apenas uma parte da investigação e "não é significativo".
A polícia também trabalha com a questão do reconhecimento e vingança na motivação da morte do tio.

"Na realidade ele estava se sentido não reconhecido pelo tio, apesar de o tio ter contratado ele para trabalhar na empresa, mas ter que demitir posteriormente porque ele estava praticando pequenos furtos", explicou o delegado.

Fonte: G1

Deixe um comentário