Mãe da pequena Geovana ainda não conseguiu doação de medula óssea para a filha

Quem quiser entrar em contato com a família, pode ligar no telefone (67) 9 9190 8114

Publicado em
Mãe da pequena Geovana ainda não conseguiu doação de medula óssea para a filha

TRÊS LAGOAS: Após a publicação nesta quarta-feira (06) no portal TL Notícias, que contou a história da pequena Geovana Dias da Silva de apenas 11 anos de idade, houve uma grande repercussão por parte dos três-lagoenses que tentam ajudar de alguma forma a pequena garota, compartilhando e contando para os amigos a história da criança.

Na tarde desta quinta-feira (07), a redação entrou em contato com a mãe da criança. Nelci Luzia Dias da Silva revelou que até o momento não conseguiu nenhum doador para a filha e que ainda está desesperada para salvá-la.

"Peço pelo amor de Deus que me ajudadem a salvar a minha filha. Ela precisa tanto viver, tem ainda muito pela frente. Faço tudo para salvá-la", amocianada disse a mãe.

Quem quiser entrar em contato com a família, pode ligar no telefone (67) 9 9190 8114 ou fazer uma visita à família, na Avenida Rafael de Haro 2723 Vila Haro, perto da Empresa Financial, na saída para Campo Grande.

A DOENÇA DA PEQUENA GEOVANA

Geovana possui uma doença congênita e precisa de doação de medula óssea. A mãe busca por um doador compatível.

Aos seis anos de idade começaram a aparecer algumas pintas de cor marrom pelo corpo da criança. Em sequencia, as unhas da mão começaram a atrofiar e rachar.

Frente a um possível problema, a mãe foi em busca de ajuda médica para poder determinar o que a sua filha estava sendo acometida.

Em atendimento pelo SUS - Sistema Único de Saúde, a doença foi confundida com a dengue, devido ao grande número de casos de dengue na cidade e o nível de plaquetas da criança estar abaixo da média. Geovana chegou a ser encaminhada para Campo Grande (MS), mas os médicos nunca chegavam a um diagnóstico.

Foi quando uma amiga da família sugeriu que a criança fosse levada para São José do Rio Preto (SP), para passar por um especialista.

No interior paulista, Geovana ficou internada e com 30 dias foi diagnosticado que ela tinha disceratose congênita. O tratamento começou logo em seguida com transfusões de plaquetas e sangue.

A disceratose congênita é uma doença hereditária rara que pode causar a falência da medula e o transplante de medula óssea é a única esperança de cura para a família. Faz aproximadamente um ano que Geovana está na lista de espera por um transplante de medula óssea, mas não conseguiu um doador compatível.

O transplante de medula óssea é a única esperança de cura para milhares de portadores de leucemia e algumas outras doenças do sangue. Por isso, seja solidário. Este ato pode salvar a vida não só da Geovana, mas de várias pessoas que esperam dia após dia por uma vida saudável.

Fonte: Da Redação

 - Foto 1
 - Foto 2
 - Foto 3
 - Foto 4
 - Foto 5

Deixe um comentário