12/06/2017 17h20 - Atualizado em 12/06/2017 17h20

Quase 7 mil pacientes faltaram este ano em consultas médicas agendadas na rede municipal de saúde

Sub-Título

Por: Silvio Domingos
Mais da metade dos pacientes agendados no Centro de Especialidade não compareceram as consultas Mais da metade dos pacientes agendados no Centro de Especialidade não compareceram as consultas

Dados da Secretaria Municipal de Saúde apontam que um total de 6.976 pacientes faltou este ano em consultas médicas agendadas nas principais unidades de saúde de Três Lagoas.

O levantamento inclui agendamentos feitos no Centro de Especialidades Médicas "Dr. Júlio Maia", Clínica da Criança "Carlos Azambuja Leão Júnior", Clínica de Diagnóstico e Cirurgia, Clínica do Idoso e Reabilitação "Diácono Pedro Barb" e Clínica da Mulher de Três Lagoas, no período de 1º de janeiro até às 10h desta segunda-feira (dia 12 de junho).

O caso mais alarmante é com relação ao Centro de Especialidades Médicas, que registrou 4.107 faltas, correspondente a 58% do total das consultas, ou seja, mais da metade das pessoas que tinham agendamento confirmado não compareceram.

Em seguida é a Clínica da Criança, que contabilizou 2.131 faltas, correspondente a 30,55% do total de consultas. Depois vem a Clínica dos Idosos com 226 faltas (3,24%) e a Clínica da Mulher com 27 faltas (0,39%).

Segundo a coordenadora da Média Complexidade e Rede de Doenças Crônicas da Secretaria Municipal da Saúde, Paula Cristina Tormena, o índice de faltas nas consultas agendadas na rede pública atrapalha diretamente quem espera por uma vaga. "Além do desperdício de recursos públicos, pela falta de percepção do usuário em relação ao impacto decorrente de sua ausência às consultas agendadas, ele (o paciente) acaba voltando ao sistema para pegar fila que ele mesmo ajudou a alongar", desabafou.

Para a coordenadora, é preciso que os paciente se conscientizar que ele está tomando o lugar de uma outra pessoa, que muitas vezes também acaba ficando sem o atendimento naquele dia.

A secretária municipal da Saúde, Maria Angelina da Silva Zuque também faz um apelo à população para que atualize seus dados nas unidades de Saúde. "Se não bastasse essas faltas, muitas vezes as atendentes não conseguem nem mesmo para antecipar as consultas, porque o número do telefone informado não atende ou muitas vezes já é de outra pessoa".

Ela pede que os pacientes que estão aguardando consultas e trocaram o número do telefone ou mudaram de endereço vá até a unidade de saúde com um documento original com foto, cartão do SUS e comprovante de endereço, preferencialmente conta de água para atualização do cadastro. "Precisamos desse apoio da população", finalizou.